11 novembro 2020

ARQUIPÉLAGO FERNANDO DE NORONHA

Olá! Hoje, juntos com a professora Cristiane Moreira, nosso avião virtual pousa em Fernando de Noronha, um arquipélago brasileiro do estado de Pernambuco. Formado por 21 ilhas, ilhotas e rochedos de origem vulcânica, tem uma área total de 26 km2 e 17 são de ilha principal. Está situado no Oceano Atlântico e a distância da capital de Pernambuco é de 545 km, sendo possível chegar a ilha apenas de avião ou por navegação. O número de voos é limitado porque também há restrição ao número de pessoas que podem permanecer ao mesmo tempo em Noronha, em geral são permitidas 700 por dia. Navios de cruzeiro ou veleiros contratados também levam até o arquipélago, mas a opção mais procurada e rápida é mesmo de avião. Existe uma taxa de permanência na ilha de preservação ambiental cobrada de todas as pessoas quando chegam em Fernando de Noronha. A taxa é cobrada de acordo com os dias de permanência na ilha, porém, se precisar sair antes do período programado, terá direito à restituição da diferença antes de embarcar para o continente. Vamos conhecer um pouco mais sobre esse lugar incrível, repleto de belezas naturais.


Fernando de Noronha é um grande Parque Nacional Marinho administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, foi criado em 1988 e ocupa a maior parte do arquipélago que abriga uma variedade de espécies da fauna e flora únicas. Em relação ao clima há duas estações predominantes: a seca, que vai de setembro a fevereiro e a chuvosa, com precipitações ocasionais, de março a junho. A temperatura tem pouca variação durante o ano, mantendo uma média de 28ºC, com muito sol e uma brisa refrescante. O clima da ilha é o tropical e ao longo do ano a temperatura da água do mar varia entre 26 °C e 28 °C. 
As praias são lindas e distribuem –se entre o mar de dentro e o mar de fora. As praias de Fernando de Noronha são promovidas para o turismo e o mergulho recreativo. Devido à Corrente Sul Equatorial, que empurra a água quente da África para a ilha, o mergulho a profundidades de 30 a 40 metros não exige uma roupa de mergulho. A visibilidade debaixo d'água pode chegar a até 50 metros. O Mar de dentro é voltado para o Brasil e possui ótimos lugares para ver o pôr do sol, além de abrigar praias lindas! Como praia do Sancho, Baía do Sancho e Cacimba do Padre. O Mar de fora é a parte contrária voltada para a África, contém mais pedras e tem menos praias, entre elas o Sueste, onde se faz um dos melhores mergulhos de smorkeling em que se pode ver e nadar na companhia de tartarugas e tubarões e na praia do Leão ocorre a desova das tartarugas. 
E por falar em tartarugas o Projeto Tamar merece destaque. Conhecido por seu trabalho com tartarugas-marinhas, tem uma uma sede muito importante em Noronha para o estudo e acompanhamento de tartarugas marinha. A longa jornada do Tamar começou em 1980 com um grande desafio: entender e proteger as tartarugas marinhas ao longo da costa brasileira. O programa agora monitora cerca de 1.100 km de costa e áreas oceânicas, com 23 bases de pesquisa, promovendo a geração de trabalho para cerca de 1.300 pessoas – 85% pertencentes à comunidades locais. Tudo foi construído baseado no processo de “aprender fazendo”, com as comunidades, associado a realidades governamentais e a necessidade da conservação das tartarugas marinhas. As estratégias aplicadas reduziram drasticamente a caça das tartarugas e a coleta dos ovos.

Desafio#1 Contação de História
Vamos conhecer a história da pequena tartaruga verde. Quem conta essa história pra gente é o canal Varal de história. Você vai se encantar!


Quando o assunto é educação aproximadamente 2.100 pessoas residem no arquipélago, dos quais aproximadamente, 180 se encontram matriculados na Escola-Bem-Me-Quer, no ensino da pré-escola, e 630 na Escola Arquipélago, no ensino Fundamental e Médio. Logo, mais de 1/3 da população noronhense é parte integrante da única rede de ensino disponível no arquipélago. A rede Pública Estadual. Muitos projetos de Ongs e Institutos de conservação do meio ambiente investem em programas de orientação para crianças , jovens e população geral de Fernando de Noronha, em ações que fomentem a sustentabilidade urgente do planeta.
O mergulho é o esporte número um em Noronha, mas a ilha oferece atividades para os adeptos de outras modalidades como o surf, praticado no verão, quando as ondas formam tubos espetaculares nas praias da Conceição, Boldró, Cacimba do Padre e do Meio. O planasub, ou “mergulho a reboque”, foi criado em Noronha e é uma opção para ver as belezas do fundo do mar sem a necessidade de realizar um mergulho profundo. 
Trilhas é um convite para contemplar a paisagem da ilha onde podem ser exploradas também por passeios de bikes emprestadas gratuitamente pelas pousadas ou retiradas nos bicicletários espalhados pela ilha. E ainda tem o snorkeling, acompanhamento obrigatório de todas as outras atividades. 
A gastronomia em Fernando de Noronha, que mistura frutos do mar como camarões, lulas, lagostas e peixes frescos com a comida típica do Nordeste, consomem legumes e verduras cultivados na ilha. Pratos como polvo a lagareiro, arroz de polvo, macaxeira (mandioca frita), lagosta e o famoso peixe na folha de bananeira são os mais procurados. Além de peixes e frutos do mar, a culinária regional é imperdível, são varias opções com ingredientes exóticos e surpreendentes. 
Um levantamento realizado pelo Ministério do Meio Ambiente mostrou que os recursos naturais da ilha já estavam em vias de esgotamento e que o turismo, que não para de crescer, tem sido muito prejudicial ao ambiente, produzindo dados vastos e alguns irreversíveis, entre eles acúmulo de lixo, favelização, falta de água, desigualdade social e perda de habitat de espécies endêmicas. A maior parte da floresta original foi cortada na época em que a ilha funcionava como presídio, para tornar mais difícil que prisioneiros se escondessem ou construíssem jangadas para fuga. Vários animais e plantas exóticos foram introduzidos na ilha e se tornaram invasores. A linhaça, originalmente introduzida com a intenção de alimentar gado, atualmente se dissemina pelo território sem controle, ameaçando o que resta da vegetação original. Outra espécie invasora é o lagarto conhecido como teiú, originalmente introduzido para tentar controlar a infestação de ratos. A ideia não funcionou, uma vez que os ratos são noturnos e o teiú diurno, e o lagarto passou a ser considerado praga. Ratos e gatos, que são a maior ameaça, estão sendo controlados através de projeto do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Outras espécies exóticas que ameaçam a ecologia da ilha são as garças-vaqueiras, lagartixas, sapo-boi, pererecas, camundongos e mocós. 
Em Fernando de Noronha existem inúmeras piscinas naturais que permitem o contato direto com a variada e exótica fauna marinha do arquipélago. As águas das ilhas estão repletas de peixes, esponjas, algas, moluscos e corais, dentre eles o mais abundante no arquipélago, o montastrea cavernosa. Nas águas rasas encontram-se os peixes coloridos como a donzela de rocas; o sargentinho; a coroca e também as moréias. Nas águas profundas podem ser encontrados o frade; o budião; a ariquita; a piraúna e o borboleta. Os cações, o pacífico lambaru e as arraias podem ser vistas repousando no fundo. Os golfinhos da espécie Stenella longirostris são conhecidos como golfinhos rotadores devido aos saltos com a rotação do corpo que costumam executar fora da água. Estes animais podem atingir até 2 m de comprimento e 90 Kg de peso. Possuem o dorso cinza-escuro com faixas medianas cinza-claro e o ventre branco. O período de gestação dura aproximadamente 10 meses e meio e o filhote nasce com 80 cm de comprimento. 

Desafio#2 Brincar com sombra 
Que tal fazer animais com a sombra de suas mãos. Tente depois nos conte como foi essa experiência.


Dessafio#3 Origami
E o desafio agora vem direto do canal Aprenda Origami. O convite é fazer uma linda tartaruga marinha. Depois poderá pintar e deixá-la ainda mais incrível. Poderá ainda fazer um fantoche (basta colar num palito) e sair contando histórias por aí. Agora é só concentração e mãos a obra!


Assim como todas as nossas propostas aqui no blog, os desafios não são de caráter obrigatório e nem precisam ser realizados em um mesmo dia, são sugestões para dar continuidade a temática abordada, para diversificar a rotina, mantermos a nossa conexão com a escola e que podem ser complementadas de acordo com suas necessidades!

Não se esqueça de fazer filmagens, tirar fotografias e enviar via WhatsApp! Vocês podem também nos encontrar no Google Classroom (para aprender a acessar, clique aqui)! Convidamos todas e todos a preencher o nosso questionário: ele nos dará pistas para descobrir como poderemos auxiliá-los neste momento tão complicado!

Roteiro, texto, seleção de materiais: Cristiane Moreira 
Edição de vídeo: Daniela Maia 
Vinheta: Fernanda Fusco
Efeitos sonoros: FreeSound.org
Trilha sonora: Daily Beetle (Kevin MacLeod - Incompetech)

Um comentário:

  1. Amamos conhecer Fernando de Noronha ! Realmente um grande sonho !!!! Obrigada 😊

    ResponderExcluir

https://1.bp.blogspot.com/-6XvqrgRUtmE/XpAnsq0hy8I/AAAAAAAAOMM/XQaf2shwZRQ_UjLVPe3AFHYV0yisWRzRACLcBGAsYHQ/s1600/footer2.png